Tomografia Computadorizada em Implantodontia

AUTORES: Betarelli HA, Gallego SEM, Ytihara NT, Moscatiello RM, Moscatiello RA

CONGRATULAÇÕES AOS AUTORES PELA PREMIAÇÃO DESTE PAINEL NO IN2011

OBJETIVO:

Mostrar os diferentes cortes tomográficos que nos possibilitam obter o maior número de informações do osso remanescente, para um perfeito diagnóstico.

INTRODUÇÃO:

O índice de sucesso em Implantodontia depende de um bom planejamento por parte do cirurgião dentista. Esse minucioso planejamento deve incluir uma anamnese detalhada, exame clínico e exames complementares laboratoriais e radiológicos. Dentre os exames laboratoriais radiológicos podemos destacar a tomografia computadorizada (TC) que é de suma importância para mensuração e definição do tamanho do implante. Antes de solicitar uma TC o profissional deve procurar tirar o máximo de informação que esse tipo de exame fornece.

MÉTODO:

O profissional deve fazer uma análise minuciosa do resultado do exame com a máxima atenção e tempo suficiente, para avaliar estruturas de interesse para a sua atuação, com uma completa varredura de todos os setores, ortorradial (Fig. 1 e 2) onde é possível localizar a região anterior, media e posterior da maxila; panorâmico (Fig. 3 e 4) e transaxial (Fig. 5 e 6). Essa análise nos permitirá avaliar a quantidade e densidade óssea da área edêntula e ainda a mensuração e instalação de implantes orais. Alem desses setores é possível observar na (Fig.7) os cortes axiais úteis na confecção de modelos esteriolitográficos. Na (Fig.8) é possível observar as reconstruções em 3D.

CONCLUSÃO:

A TC é um excelente método auxiliar de diagnóstico que nos fornece imagens reais. Todos esses dados fornecidos ao examinador possibilitam a medição das estruturas envolvidas para instalação de implantes com ou sem enxertos ósseos.

REFERÊNCIAS:

  1. Misch CE. Implantes Dentários Contemporâneos. Santos, 2000;
  2. Moreira CA. Diagnóstico por Imagem em Odontologia. Robe, 2000;
  3. Moscatiello RA, Moscatiello VAM, Moscatiello RM. Imaginologia.[apostilado]. São Paulo: Universidade Paulista; 2011.

Uma ideia sobre “Tomografia Computadorizada em Implantodontia

  1. Parabens Moscatiello, muito bem lembrado os instrumentos que a TC nos traz, faz uma grande difernça trabalhar com TC no computador, a de fotografia é mais chata de analisar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *