Princípios do Levantamento de Seio Maxilar para Implantodontia

Oliveira, VMO*, Lacerda, MP **, Moscatiello, RM***

*Aluna do Curso de Odontologia da Universidade Paulista – UNIP, campus Indianópolis – São Paulo, Estágio em Implantodontia **Aluna do Curso de Odontologia da Universidade Paulista – UNIP, campus Indianópolis – São Paulo, Estágio em Implantodontia  *** Professor do Curso de Especialização em Implantodontia da Universidade Paulista – UNIP, campus Indianópolis – São Paulo webmaster@implantodontia.blog.br

Um dos procedimentos de enxerto mais rotineiros em Implantodontia é o Levantamento do assoalho de seio maxilar. As frequêntes reabsorções ósseas conhecidas como pneumatização do seio maxilar podem dificultar as intervenções da Implantodontia. O seio maxilar o maior dos seios paranasais e é cercado por seis paredes ósseas. A parede anterior consiste de osso fino e compacto sobre o ápice dos caninos e pode estender-se até a borda piriforme lateral do nariz. Os vasos sanguíneos e os nervos localizam-se diretamente sobre o osso e dentro da mucosa sinusal.

Os mais notáveis destes tratamentos são: enxerto sinusal para aumentar a altura óssea disponível, abordagens cirúrgicas modificadas de acordo com a densidade óssea e aplicação de carga óssea progressiva durante a fase protética de reconstrução. A região posterior da maxila representa a área mais previsível para os procedimentos de enxerto ósseo sintético. No entanto, discute-se que um pré-requisito básico para o sucesso dos tratamentos com Implantodontia associados a estes procedimentos é a presença de dentes anteriores naturais saudáveis.

O procedimento de enxerto sinusal para Implantodontia pode ser classificado como uma cirurgia da Classe II ou limpa/contaminada. A incidência de infecção em tais procedimentos é de aproximadamente 10 a 15%, mas pode ser reduzida a 1% com o uso de técnica aprimorada e de antibióticos profiláticos.

A) Movimentação da membrana B) Instalação de implante C) Preenchimento da cavidade com enxerto osseo

Levantamento de Seio Maxilar para Implantodontia. Sequência: A) Movimentação da membrana B) Instalação de implante C) Preenchimento da cavidade com enxerto osseo

Existem 2 técnicas cirúrgicas, a primeira opção de tratamento da região posterior da maxila, corresponde a 12 mm ou mais de altura óssea disponível, a segunda opção subantral, é o levantamento sinusal e a inserção simultânea do implante; ela é selecionada quando o osso disponível tiver 0 a 2 mm a menos de comprimento para o implante ideal.

O objetivo da cirurgia de levantamento sinusal para Implantodontia é aumentar a altura óssea vertical em até 2 mm e usar o acesso da osteotomia para o implante por um mínimo de 12 mm no osso D2, e 14 mm no osso D4.

O método primário de avaliação do enxerto sinusal a longo prazo tem sido a sobrevida do implante nestas regiões. O relato da literatura apresentam índices de sucesso extremamente altos para todos os materiais estudados. A região posterior da maxila pode exibir um índice de sobrevida tão bom quanto qualquer região da boca, quando um tratamento adequado é planejado e concluído.

MISCH, C.E. Implantes Dentários Contemporâneos. 2ª Ed., São Paulo: Ed. Santos, cap. 30, 2000

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *